Artesanato no Maranhão
Criativo e diversificado. É assim o artesanato maranhense. E não poderia ser diferente, já que a miscigenação de negros, brancos e indígenas está presente em quase tudo aquilo que define a identidade cultural do Estado. As matérias primas são variadas. Algodão, couro, madeira, argila e até a fibra do guarimã. Mas o forte mesmo é a palha do buriti. É dela que se extrai uma fibra versátil e resistente que dá origem a dezenas de peças comercializadas nas lojas e mercados e centros de artesanato. Também se destacam a produção de peças de cerâmica e de renda. E os boizinhos, pequenas e delicadas réplicas dos bois, que são a maior atração durante as festas de São João.

 

Artesanato no Piauí
A Arte Santeira do Piauí é reconhecida como patrimônio nacional pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). Dos 45 santeiros catalogados, destaca-se Joaquim José Alves, o Mestre Kim, piauiense que talha esculturas em toras de cedro natural, com detalhes refinados e olhos grandes. Ele foi discípulo, desde os 11 anos de idade, do Mestre Dezinho, seu tio e um dos maiores santeiros do Piauí.

 

Artesanato no Ceará
A diversidade do artesanato cearense é tão grande quanto os 148.826 km² de extensão do Estado. Crochê, renda de bilro, bordados, produtos em palha, couro, argila, cipó e madeira são alguns dos exemplos de materiais utilizados. Com as areias multicores das falésias, surgiram os artistas das garrafinhas coloridas. Pacientemente, com estiletes e pazinhas, eles vão formando paisagens e desenhos variados. O artesanato de redes, exercido em teares verticais, também tem forte presença no litoral cearense.

 

Artesanato no Rio Grande do Norte
O artesanato no Rio Grande do Norte é bastante rico e diversificado, sendo responsável por uma parcela relevante da geração de trabalho e renda. Os artesãos utilizam diversos materiais, como areia colorida, casca de coco, juta, sisal e cipó de taquara, típicos de cada região do estado. Produtos como os bordados de Timbaúba dos Batistas, as cerâmicas de São Gonçalo do Amarante, as garrafas de areia colorida de Tibau são alguns dos belíssimos exemplos, que contam a história cultural potiguar.

 

Artesanato em Pernambuco
A riqueza cultural pernambucana está presente nos mais diversos tipos de Artesanato, que representam a tradição do Estado na sua forma mais pura. Seja no barro, na madeira, nas fibras e palhas ou no couro, o fazer artesanal é um dos grandes patrimônios do povo pernambucano. De lá, saíram grandes nomes da arte popular brasileira, como Mestre Vitalino e Manoel Eudócio, de Caruaru, Ana das Carrancas, de Petrolina, Mestre Cunha, de Ipojuca, Galdino, de São Caetano, José Bezerra, de Buíque, Nhô Caboclo, de Águas Belas, Mestre Salustiano, de Aliança, Tota, de Tracunhaém e tantos outros, de todos os cantos do Estado.

 

Artesanato na Paraíba
O artesanato é uma das formas mais espontâneas da expressão cultural paraibana. Em várias partes do estado é possível encontrar uma produção diferenciada, criada de acordo com a cultura e o modo de vida local e feita com matérias-primas regionais, como os bordados, a cerâmica, o couro de bode, o crochê, o labirinto, a madeira, o macramê e as rendas. A Paraíba também é muito rica em fibras vegetais das mais diversas, como o coqueiro na Zona da Mata, até a palha da bananeira, do milho e da carnaúba nas demais regiões do estado. Além dos centros de artesanato, que são equipamentos permanentes, é realizado, duas vezes ao ano, o Salão do Artesanato Paraibano, que conta com mais de cinco mil artesãos.

 

Artesanato em Sergipe
O artesanato encontra-se disseminado por todo o território do estado de Sergipe. Entre as peças, encontram-se verdadeiras preciosidades que refletem a criatividade do artesão e sua capacidade de inovar, sem que a obra perca características tipicamente sergipanas. Entre as principais peças, a renda irlandesa, o artesanato em palha, cerâmica e o artesanato alternativo, como as bonecas de pano, são destaques no estado.

 

Artesanato em Alagoas
Uma tradição passada entre gerações nas famílias, o artesanato tem conquistado um espaço representativo na cultura e economia de Alagoas. Do barro à madeira, da fibra da bananeira à taboa, da renda de bilro ao bordado filé, sementes, casca e o couro de tilápia, o artesanato alagoano conta histórias e mantém viva a identidade local, sendo vendido dentro e fora do Estado e consolidando o segmento para além da arte. Tanto que em 2018, a participação dos artesãos locais em feiras e eventos por todo o país obteve recorde de vendas, atingindo a marca de R$ 1 milhão em produtos comercializados. Alagoas possui uma grande variedade de tipologias e mais de 14 mil artesãos cadastrados.

 

Artesanato na Bahia
Na Bahia, existem artesãos em praticamente todas as localidades, divididos em categorias, nos seus 417 municípios. São os mais diversos ramos artesanais, como cerâmica, madeira, metal, couro, cestaria, trançado, tecelagem manual, rendas, bordados e artesanato mineral. A musicalidade está expressa no berimbau, instrumento de origem africana, incorporado ao rito da capoeira e homenageado nas miniaturas feitas de pequenas cabaças. Quando a matéria-prima é o barro, as criações dividem espaço entre o sagrado e o utilitário. Assim nascem orixás majestosos, reverenciados em todos os cantos do mundo, e também vasos, caçarolas, panelas e fogareiros. Com essa imensa variedade de matérias-primas, a Bahia é dona de um dos maiores acervos culturais do mundo.