Artesanato no Amazonas
Rico e variado, o artesanato do estado do Amazonas é uma fonte sustentável de renda. Com uma enorme influência da cultura indígena, é considerado uma das mais belas e significativas expressões da arte popular brasileira. Entre os principais consumidores da arte estão os próprios índios, de etnias como Pataxó, Bororo e Funil-ô. A cerâmica, a arte plumária, a zarabatana e o colar de morototó estão entre as principais peças produzidas. O artesanato desta região está diretamente ligado a elementos da cultura local, e até mesmo a matéria-prima utilizada têm origem na floresta, como sementes, fibras, madeiras, ou a argila para compor a cerâmicas. Tudo aproveitado pelos artesãos com criatividade, originalidade e beleza, resultando em belos produtos.

 

Artesanato em Roraima
A influência indígena é muito forte no artesanato roraimense. Raízes, palhas, cipós, buritis e cascas de árvores fazem parte da matéria-prima utilizada para a produção das peças. Cada etnia indígena produz peças muito particulares, como brincos, braceletes, colares, além da cerâmica indígena, que se destaca internacionalmente pela beleza e originalidade. Os artesãos do estado também revelam a identidade roraimense em seus trabalhos. O destaque são as miniaturas produzidas com sementes de árvores e grandes jarros de barro.

 

Artesanato no Amapá
Fibra, madeira, semente e argila. Essas são as quatro tipologias que representam o artesanato do Estado do Amapá. São panelas de barro, colares de sementes, luminárias e vasos produzidos com as técnicas do trançado, colagem, marchetaria (técnica de ornamentar superfícies através da aplicação de outros materiais), grafismos indígenas, entre outras. A Associação de Artesãos Quilombos e Arte Tapuias, localizada em uma comunidade quilombola a 17 quilômetros de Macapá, cria máscaras decorativas personalizadas feitas com resíduos de fibra de açaí e resíduos de conchas do rio Amazonas.

 

Artesanato no Pará
O artesanato paraense espelha o contexto cultural do seu povo e do seu meio ambiente. São utilizados todos os tipos de materiais retirados da própria região, como o barro, sementes, pedras preciosas, palha e até a escama do pirarucu é aproveitada. E está em vários ramos, como cerâmica, cestaria, objetos de madeira e cuias, criando um segmento criativo e uma vertente importante para a economia paraense. Uma das características mais marcantes é sua origem indígena, onde dois grupos se destacam no estado: os marajoaras e os tapajônicos. E no tradicional mercado Ver-O-Peso, em Belém do Pará, os cheiros, com fragrâncias afrodisíacas, são vendidos entre peixes, sementes, animais e comidas.

 

Artesanato no Tocantins
O Tocantins tem uma rica diversidade em seu artesanato. Aproveitando os recursos naturais e o potencial local, são produzidas peças de rara beleza e originalidade. Artigos que utilizam como matéria-prima o buriti e babaçu, peças em cerâmica e cristal e a influência indígena são as principais características do artesanato da região. Destaque também para as bonecas Ritxòkò, da Ilha do Bananal. Tocantins também é o berço do artesanato feito com capim dourado, o "ouro do cerrado". Essa tradição foi passada pelos índios da etnia Xerente que, no começo do século XX, se deslocaram para o lado do Rio Araguaia e passaram pelo povoado quilombola Mumbuca, ensinando alguns moradores a “costurar capim” com a seda de buriti. Desde então, essa técnica tem sido passada de geração para geração."

 

Artesanato em Rondônia
A riqueza cultural de Rondônia está presente nos mais diversos tipos de manifestações artesanais. Com cerca de 10 mil artesãos, a arte rondoniense é expressada no barro, na madeira, nas fibras, palhas, no couro e em tantos outros materiais. Influência indígena, colonização de brasileiros de outros estados e riqueza natural são referências do povo de Rondônia em sua produção artesanal.

 

Artesanato no Acre
Entre fios e tecidos, sementes diversas e madeira, a cultura acreana produz artesanato utilizando matérias-primas da nossa floresta amazônica. Estima-se de que haja mais de 4.000 artesãos em todo o estado do Acre e um dos expoentes dessa cultura é a Associação das Produtoras de Artesanato de Mulheres Indígenas de Kaxinawa de Tarauacá e Jordão (APAMINKTAJ). Na associação, é pedida autorização para a Mãe Natureza quando vão à floresta em busca da matéria-prima. Assim, quem compra as peças leva um pouco da identidade do povo indígena, a cultura e o “espírito” da floresta consigo.