A Casa Bordada

O CRAB – Centro Sebrae de Referência do Artesanato Brasileiro apresenta uma casa construída com bordados provenientes dos 26 Estados e do Distrito Federal. O projeto de montagem reproduz a estrutura de uma casa, com paredes, portas, janelas, cômodos, divisórias, toda feita em belíssimos tecidos bordados, que são esticados, costurados e presos a estruturas de madeira, como se estas fossem bastidores usado para bordar. É uma casa construída com pano, agulha e linha e diferentes riscos de bordado, que trazem em si a identidade do local e de mestras bordadeiras e bordadores que os produziram.
As peças foram recolhidas, selecionadas ou criadas especialmente para o evento pelo curador Renato Imbroisi, que atua com núcleos de artesãos em todo o Brasil e outros países, realizando oficinas de criação e desenvolvimento de peças de artesanato, ao mesmo tempo em que resgata técnicas e tradições, renova a produção e estimula o repasse de conhecimento aos mais jovens. São mais de 60 participantes – entre grupos, cooperativas, associações e artesãos individuais –, autores das mais de 200 peças que estarão expostas, sendo a maior parte pertencente hoje ao acervo do A Casa museu do objeto brasileiro.
A CASA BORDADA é um levantamento do bordado brasileiro, técnica trazida por colonizadores e imigrantes, que adquiriu feições, usos e costumes nacionais, ao mesmo tempo semelhantes e distintos entre si – como, por exemplo, o bordado com lantejoulas e pedrarias característico do Bumba Meu Boi maranhense ou o ponto russo praticado em Primavera do Leste, no Mato Grosso, ensinado por uma comunidade de imigrantes às bordadeiras locais, que utilizam apenas fios de algodão puro, já que se trata de uma região de intenso cultivo de algodão. Esses e muitos outros bordados com suas histórias e referências socioculturais e ambientais constituirão A CASA BORDADA.
A mostra ocupará três salas do CRAB; além da casa em si, terá outras estruturas referentes à técnica, e uma sala dedicada à história do bordado no Brasil, com peças raras recolhidas ao longo de mais de 20 anos pela artista têxtil Nina Sargaço, colecionadora do que descreve como “arqueologia dos trabalhos manuais femininos, um conhecimento milenar que se perdeu em duas gerações”.
A ideia de montar este panorama do bordado brasileiro, estruturado como uma casa, é de Renato Imbroisi e de Renata Mellão, diretora do A Casa museu do objeto brasileiro, de São Paulo, onde A CASA BORDADA foi construída pela primeira vez, em maio de 2017.
  

Período [22/08] > 30/11 2018
Horário 10H ÀS 17H (TERÇA A SÁBADO)
Curadoria Renato Imbroisi